Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Gostava muito da crónica da Isabel Stiwell, aos domingos- enquanto foi responsável pela revista do Diário de Notícias DN Magazine (que, diga-se de passagem piorou desde a sua saída) -, felizmente continuo a ler as suas crónicas no DESTAK:


Não podemos diabolizar as coisas, lá porque elas são utilizadas para fins errados ou perigosos. O suicício, ou um para-suicídio, é certamente a experiência mais extrema e dolorosa não só para quem o tenta, como para a família que, sinceramente, acredito nunca se recompõe totalmente. A ideia que que não chegámos para aquela pessoa, de que não fomos capazes de a proteger, deve ser a prova mais dura por que alguém pode passar. Só a certeza de que cada um é o responsável último pela sua vida pode diminuir, de alguma maneira, o impacto nuclar de um gesto destes. Mas essa certeza tem dia e tem horas, e raramente se instala permanentemente, embora fosse completamente justo que assim fosse.


Mas não são, nem podiam ser, os ansiolíticos os culpados, nem outra qualquer substância, porque admiti-lo é admitir que o inimigo vem de fora e não de dentro. O que não é verdade. As benzodiazepinas foram das dscobertas mais fantásticas do mundo, como sabem 80% dosportugueses que todos os anos recorrem ai seu uso. Como poderiam aliás atestar maridos e filhos salvos do SPM das mulheres, colegas de trabalho que corriam risco de ser assassinados, funcionários de repartições de Finanças que chegam ao fim do dia com a sua integrídade física preservada.


Não, não estou a fazer a apologia da droga, mas um reconhecimento de que o stress, e muito pior do que isso, a ansiedade e o pânico são dos piores pesadelos que nos podem assaltar. Paralisam a vítima, congelam o cérebro, dão-lhe uma sensação de total impotência. São sintomas de uma doença, passageira ou crónica, e merecem ser tratados como quaisquer outros. Sem obviamente se fazer a apologia de que mem lugar se de procurar as causas, se opte por afogá-las em comprimidos.


O que me irrita mesmo é que, subjacente a esta atitude critica está , muitas vezes, a convicção moralista de que o sofrimento mental fortalece a alma. Um tipo de 'mal-estar' que as pessoas de barba rija superam sozinhas. Como aliás as taxas de alcolismo indicam na perfeição!

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De tacci a 17.12.2007 às 11:18

Beber e fumar, cuspir para o chão e falar muito alto, é de homem. Tomar remédios para a cabeça, isso não!
Ainda se fosse snifar umas cocos...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D