Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ericeira

por ana, em 18.08.18

Caros amigos

Nos meus 4 anos, passava férias na Ericeira. talvez por ser tão pequena só guardo duas memórias:

1. o brincar com um amigo meu, que ainda agora o é, no Parque de Santa Marta

parque santa marta.jpg

<meta http-equiv="refresh" content="0; URL=/?_fb_noscript=1" />

Autoria e outros dados (tags, etc)


Nortada na Praia do Furadouro

por ana, em 12.08.18

CartaEI.jpg

 

Além da caminhada ao Areínho, outro dos nossos rumos, em tardes de Nortada, era ir passear para o pinhal do Furadouro.

 

 Não era só para nos proteger da nortada quepara lá iamos, era para encontrar a Corema album, de seu nome vulgar camarinheira ou camarinha,que  é um pequeno arbusto (não costuma ter mais de um metro de altura) da família Ericaceae que se encontra. em dunas e pinhais do litoral da Península Ibérica. Sendo um arbusto dioico, só os arbustos femininos dão as bagas que parecem pérolas e que têm um sabor agridoce. O cheiro das camarinheiras faz lembrar o cheiro a mel.  

 

Vínhamos da mata com sacos e sacos cheios daquelas bagas brancas que comíamos  à mão, em concha, cheia.

 Há muito, muto tempo que não como camarinhas. No entanto, para além das inscrições na minha pele a que uns chamam rugas, outros marcas de expressão tenho outras, subterrâneas à pele, que me fazem estremecer quando me cheira - sem razão aparente- a camarinhas.

Camarinha-fruto.jpg

 foto daqui

 

Deixo-vos com a Lenda das Camarinhas

 

Dizem que Santa Isabel,

Rainha de Portugal,

Montando branco corcel,

Percorria o seu pinhal!

 

-“Ai do meu Esposo! Dizei!

Dizei-me, robles* reais!

Meu Dinis! Senhor meu Rei!

Em que braços suspirais?!...

 

Os robles silenciosos

Do vasto Pinhal do Rei

Responderam receosos

– Não sei!...

 

E o pranto da Rainha

Nas suas faces rolava,

Regando a erva daninha

No pobre chão que pisava!

 

– “ Ó meu Pinhal sonhador

Que o meu Rei semeou!

Dizei-me do meu Amor

E se por aqui passou...”

 

Os robles silenciosos

Do vasto Pinhal do Rei

Responderam receosos:

– Não sei !...

 

Mas cristalizou-se o pranto

Em muitas bagas branquinhas

E transformou-se num manto

De brilhantes camarinhas!...

 

Eis que repara a Rainha

Numa casa iluminada...

– “ Quem vela nesta casinha

Numa hora adiantada ?!...”

 

Os robles silenciosos,

Tão tristes que nem eu sei,

Responderam receosos:

– O Rei!...

 

lenda retirada daqui

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Furadouro

por ana, em 10.08.18

CartaEI.jpg

 

 

Lembram-se de vos ter dito, no meu anterior #Postal_de_férias em forma de carta, que os homens e mulheres envelheciam precocemente, tinham um ar  triste, e no entanto tinham uma força enorme?

Dou-vos a conhecer hoje os pregões habituais das peixeiras da praia do Furadouro que faziam a pé,- a maior parte delas descalças - de canastra, carregada de peixe, na cabeça, o trajecto Furadouro-Ovar (4,6 Km) para irem vender o peixe do nosso mar. Os pescadores também levavam peixe para a venda mas eles "em gigas suspensas  num bordão - uma de cada lado -  que suportavam nos ombros calejados, apregoando elas, no seu estilo característico e tão inconfundível:

-Ai a rica sardinha!...

- Olha a rica sardinha fresca do nosso maaaaari!...

- É do nosso maaaaari! freguesas!...

-Venham ver esta riqueza vivinha do nosso maaaaari!..."

 (fonte:  Manuel Ferreira Gomes "Ovar - a paisagem e o Indivíduo - alguns apontamentos e evocações)

Mas a praia do Furadouro nem só dos pregões das peixeiras vivia.  Dias havia, naqueles em que  se vendiam enguias no mercado, que, manhã cedo um miúdo, o Fausto, filho de um pescador, com uma entoação e sotaque que me encantavam apregoava:

- iéé vir àsas  enguias, queeeemmm queeer comprarar enguias, que jáá se vão bunder

(Que pena A Música Portuguesa a Gostar dela Própria, não tenha registado este pregão)

 

Peixeira-de-Ovar-Ovar-Portugal.jpg

 foto daqui

Autoria e outros dados (tags, etc)


O Furadouro

por ana, em 08.08.18

CartaEI.jpg

Ao lerem os meus postais devem pensar que a praia do Furadouro era um lugar idílico. Não era. Para mim tinha o gosto da liberdade. Em Lisboa aos 14-17 anos era casa-liceu-casa. Chegava ao Furadouro e só estava em casa para almoçar, jantar e dormir.

Mas o Furadouro era uma praia piscatória com muita pobreza. As casas eram palheiros miseráveis assentes na areia ou na terra. Homens e mulheres envelheciam precocemente, tinham um ar triste e, no entanto, tinham uma força enorme. A canalha, como na região de Ovar se designa a miudagem, andava muito suja e sempre descalça,  a maior parte deles tinha o cabelo cor de palha – não, não eram lourinhos eram sub-nutridos; chegadas as famílias para passar férias era certo e sabido que, na hora de almoço e jantar, lá estavam eles a bater à porta a pedir pão. Lembro-me de um dia em que a minha mãe disse a um dos miúdos:

- Estás muito sujo. Vai tomar banho e volta que levas sopa para casa.

Voltou todo encharcado com o ranho a cair-lhe sobre os lábios  e a tiritar de frio.

 - O que te aconteceu?

- Fiz o que a senhora me mandou, fui tomar banho ao mar, mas a água estava muito fria só dei um mergulho. Posso levar a sopa?

 

palheirosfuradouro.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds